Como regular marcha traseira (parte 1)

O câmbio é, basicamente, um conjunto de peças localizado junto ao eixo central da roda traseira (no caso do câmbio traseiro) ou próximo aos pedais (no caso do câmbio dianteiro), responsável pela troca de marchas. Ele “puxa” a corrente para encaixá-la de uma engrenagem a outra. Geralmente, cada um dos câmbios é controlado por alavancas geralmente localizadas nas manoplas (no guidão), perto da alavanca de freio.

Quando o câmbio funciona perfeitamente, é uma beleza: você aciona a alavanca de câmbio e a marcha muda prontamente e de forma suave. Quando precisa da marcha mais pesada para pegar mais velocidade, você gira o pedal durante a troca e ela fica mais pesada sem dar “trancos”. Na hora de subir uma ladeira mais pesada, a marcha fica mais leve antes que o pedal fique pesado demais para conseguir rodar e completar a troca (isso se acionou o câmbio no momento correto), e não ouve estalos altos ou sente “tremidos” estranhos, quando a corrente “pula” de forma inadequada.

Neste primeiro vídeo de uma série sobre “regulagem de marcha (câmbio) traseira”, a Talita Noguchi, do bar e bicicletaria Las Magrelas, ensina a fazer ajustes que regularão a troca de marcha, para que a corrente mude corretamente de uma engrenagem a outra sem “pular” marcha ou sem atrasar demais a troca.

Como ajustar o câmbio traseiro por um dos parafusos que tensionam o cabo:

Esse tipo de ajuste pode ser feito com a bike sobre algum suporte de parede ou um suporte de chão que deixe a roda traseira suspensa, ou de cabeça para baixo. E não é necessário utilizar ferramenta.

O parafuso responsável pelo tensionamento mais preciso do cabo costuma se localizar perto do manete, próximo à alavanca do câmbio no guidão, e/ou no câmbio traseiro.

1. Na hora de fazer o ajuste, é recomendável deixar a corrente encaixada na marcha mais pesada, a engrenagem menor, com o cabo afrouxado, para só então regular o tensionamento do cabo e “esticá-lo”;
2.
 Girar o parafuso no sentido anti-horário faz com que ele se solte, deixando o cabo mais tensionado. Isso faz com que ele troque mais rapidamente de uma marcha par sem a outra mais leve (engrenagens maiores e mais próximas à roda), mas, se tensionar demais, demora mais para trocar para as marchas mais pesadas, às vezes não trocando ou pulando marchas.
3. Girar o parafuso no sentido horário faz com que ele se solte e deixe o cabo mais laceado (frouxo). Quando fica solto demais, a marcha não muda corretamente para as mais leves, e até “pula” marchas, e mudam tão rapidamente para as marchas mais pesadas que encaixam na engrenagem errada;
4. O importante é ter paciência e ajustar até um meio-termo em que o câmbio troque as marchas para as mais pesadas ou para as mais leves na mesma velocidade, sem “pular” marcha em nenhum momento.

 

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*