Como regular marcha traseira (parte 3)

De vez em quando, na hora de trocar a marcha para a mais pesada ou para a mais leve, a corrente da sua bicicleta cai e, quando “o dia tá ruim”, fica presa entre as engrenagens traseiras (“cassete”) e o quadro?

Talvez isso seja apenas falta de regulagem de um dos dois pequenos parafusos que controlam o limite da movimentação do câmbio traseiro, ou seja, o “batente”. Esse limite de ação é a distância em que o câmbio vai puxar a corrente na troca para a primeira ou última marcha.

Por exemplo, se o parafuso que controla o limite da marcha mais leve (a primeira marcha, da engrenagem maior) está bem regulado, o câmbio puxa a corrente e encaixa exatamente sobre essa engrenagem maior. Se o parafuso estiver muito solto, o câmbio vai entender que o limite não está sobre a engrenagem maior, e vai puxar a corrente para fora do conjunto de engrenagens, o “cassete”.
Também é possível mudar o limite apertando mais esse parafuso, para que o câmbio puxe a corrente até a segunda maior engrenagem (segunda marcha) e ignore a maior (primeira marcha). É um recurso que pode ser usado nas seguintes situações:

A: A corrente da sua bicicleta se partiu e foi preciso retirar elos para remendá-la. Como a corrente ficou mais curta sem esses elos, ela pode não ter comprimento suficiente para girar em torno da engrenagem maior; ou
B: Por algum motivo, na hora de montar a sua bicicleta ou trocar peças, foi colocado um trocador (“passador”) de marchas (geralmente no guidão) com um maior número de marchas do que a quantidade de engrenagens que há no cassete. Assim, a ideia é fazer o trocador de marchas ignorar as marchas extras e se comportar como se seu número de marchas fosse o mesmo que o número de engrenagens.

Material:

Chave de fenda ou chave Phillips.

Como ajustar o câmbio traseiro por meio do parafuso de batente:

Esse tipo de ajuste pode ser feito com a bike sobre algum suporte de parede ou um suporte de chão que deixe a roda traseira suspensa, ou de cabeça para baixo.

Os parafusos de batente geralmente são uma dupla de pequenos parafusos na parte traseira do câmbio.

1. No exemplo do vídeo, o parafuso de cima controla o limite do câmbio em relação à engrenagem menor. Se esse parafuso estiver muito solto, a corrente pode “cair” da engrenagem quando você muda para a marcha mais pesada, e se prender entre a engrenagem e o quadro (mais exatamente, a parte chamada de “gancheira”). Essa é aquela situação mais chata em que é difícil desengatar a corrente para colocá-la de volta ao lugar, fazendo com que às vezes precise soltar a roda para soltar a corrente. Para resolver esse problema e não precisar passar pelo inferno da corrente caindo e emperrando novamente, é só apertar esse parafuso no sentido horário.

2. O parafuso de baixo controla o limite do câmbio em relação à engrenagem maior. Quando esse parafuso está muito solto, o câmbio puxa demais a corrente quando se muda para a marcha da engrenagem maior e ela acaba sendo posicionada fora do conjunto de engrenagens e “cai”. Mas não é um caso tão chato quanto o citado no parágrafo acima. Para se prevenir de novos problemas como esse, se aperta o parafuso também no sentido horário até a corrente se encaixar corretamente. Para mudar o limite nos casos A e B citados (da corrente encurtada e do trocador de marchas), continue apertando até a mudança de marcha parar em outra engrenagem, não na maior.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*